23 de ago de 2006

http://www.marista.org.br/index.cfm?FuseAction=noticias.Detalhe&nNoticia=9503&unecod=5004

Como pesquisar na Internet
(Texto voltado para professores)

Este texto, procura dar informações para auxiliar o trabalho de pesquisa na Internet. Orientações de procedimentos básicos para utilizar, de forma mais produtiva, os mecanismos de busca na Internet; o trabalho com os sites de busca, este instrumento que já é considerado imprescindível nas escolas.

Sabe-se que, muitas vezes, o professor não estimula o uso desta ferramenta em sala de aula por muitos motivos; familiarização, falta de hábito, outras preferências ou não quer remeter o aluno a muitas informações por achar que pode perder tempo, perder o foco ou que simplesmente receberá um trabalho de copiar e colar...

Se os professores pedirem aos alunos, trabalhos reflexivos e não apenas descritivos, fica difícil copiar e colar da internet. E isso só será possível se o educador também estiver suficientemente motivado e instrumentado para servir como condutor deste processo de aprendizado, trocando com seus alunos, ensinando e aprendendo com eles. O professor deve levar em consideração em sua avaliação o processo da pesquisa, além do resultado dela.

A Internet permite que a temática seja vista a partir do interesse e das perspectivas de quem a utiliza. Diferente dos outros meios de comunicação de massa, que obedecem a uma ordem pré-estabelecida, a rede de computadores possibilita que o aluno pesquise segundo seus próprios interesses e objetivos. Sendo assim, espera-se que o professor discuta critérios de seleção, estabeleça prioridades e favoreça diversas relações a partir do tema a ser tratado.

Então pode-se perguntar: o que significa para o professor rever seu papel e ser capaz de se colocar na posição de co-autor junto ao seu grupo de alunos? Sem dúvida, esse desafio passa pela apropriação dos novos meios tecnológicos, mas não se esgota neles. Por outro lado, a Internet favorece essa iniciativa por ser ela mesma uma ferramenta que possibilita ao aluno: participar, intervir, usar uma multiplicidade de conexões (os hipertextos), aprender através de simulações, ter autonomia na organização dos conteúdos, ter acesso a conteúdos em diversos formatos (som, texto, imagem, vídeo, etc.).

Pesquisar na Internet, portanto, envolve mais elementos do que a simples busca por uma determinada informação. Envolve, sobretudo, o desenvolvimento de determinadas competências e habilidades que implicam na construção de um outro modo de pensar e de olhar o mundo. Para os professores, a utilização da pesquisa pela Internet abre infinitas possibilidades de estabelecimento de uma relação diferente com o conhecimento, redefinindo suas ações e o modo como as realizam, de forma a torná-las um instrumento desencadeador de aprendizagens significativas.
Mas como pesquisar na Internet?

“Para uma pessoa mais jovem a Internet pode ser uma floresta: se você decidir virar para a esquerda em vez de ir para a direita, talvez deixe de achar o tesouro que está buscando.” (Umberto Eco, em entrevista à revista Veja Mundo Digital, dezembro, 2000)
Dessa forma, é importante que o professor oriente seus alunos a estabelecerem um método de pesquisa para a obtenção das respostas desejadas. E mais do que fornecer um roteiro, o professor deverá acompanhá-los em seu processo, prevendo, inclusive, que o próprio planejamento feito e discutido minuciosamente, possa ser modificado, dependendo das questões que forem surgindo, da curiosidade e da motivação dos alunos. Sugere-se um roteiro básico para nortear as pesquisas de forma geral:

PREPARAR A PESQUISA

Delimitar um assunto/questão/problema
Estabelecer qual o foco da questão
Conceituar
Eleger um grupo de palavras-chave que auxiliem a compreensão do assunto
Localizar o tema no tempo/espaço (delimitação)
Fazer um levantamento de fontes/recursos a serem utilizados
Listar as tarefas
Fazer um cronograma da pesquisa

REALIZAÇÃO DA PESQUISA

Ler e anotar os dados encontrados
Selecionar e organizar o que foi coletado (registrar as fontes para saber de onde vieram as informações)
Analisar o que foi coletado em relação ao projeto inicial
Fazer o fichamento de todas as informações relevantes

APRESENTAÇÃO DA PESQUISA

Definir os itens que comporão a apresentação (tanto escrita quanto oral, se houver)
Elaborar a apresentação do trabalho
Redigir o texto, de acordo com um plano definitivo de abordagem do tema e do foco escolhido inicialmente

DICAS PARA UMA BOA BUSCA NA INTERNET

Sinais que indicam o caminho – Alguns códigos são essenciais quando o foco da procura é alguém famoso ou algum termo com mais de um significado.

ASPAS (“”) – Coloque o nome todo em aspas.
SUBTRAÇÃO (-) – Se o objetivo é encontrar dados sobre Fernando Henrique Cardoso (FHC) apenas como presidente, utilize o sinal de subtração (-). Ex.: “Fernando Henrique Cardoso”-presidente.

ADIÇÃO (+) – É possível refinar ainda mais a busca usando o sinal de adição (+). Ex.: Fernando Henrique Cardoso”-presidente+sociólogo.

INTITLE – Para buscar apenas sites que contenham a palavra requisitada no título, o código a ser usado é intitle (dar título, em inglês). Para pedir documentos com o termo tsunami, por exemplo, escreva intitle:tsunami. Dessa forma, serão selecionados apenas sites que sejam focados realmente nas ondas gigantes.

Pesquisar na Internet requer não apenas um conhecimento prévio de como funcionam os seus sistemas de busca, mas também um certo conhecimento das técnicas de pesquisa. E, neste sentido, se frisa novamente a importância do papel do professor na participação neste processo de pesquisa, na tessitura desta verdadeira teia de informações que compõem o tema pesquisado.

É bom lembrar que a Internet surge tal qual as grandes bibliotecas: seus sites são como livros que foram sendo acumulados não mais em um único espaço, mas em diversos computadores ao redor do mundo.

Nas bibliotecas, quando o número de livros se tornou grande a ponto de inviabilizar a localização das obras apenas com base na memória das pessoas, surgiram os catálogos que auxiliaram na recuperação das informações. Na Internet aconteceu o mesmo, surgiram os sites de busca que, num primeiro momento, trabalhavam com a recuperação por palavras e, atualmente, trabalham também a partir de palavras-chave que expressam conceitos. Essa mudança foi fundamental para um trabalho de recuperação e tratamento da informação. Neste imenso mar de informações que é a Internet, há uma bússolas que pode orientar a pesquisa: os sites de busca.
Os sites de busca são softwares – mais conhecidos como “robôs” – que, regularmente, percorrem toda a Web em busca de novos documentos e armazenam tudo num banco de dados.

Como pesquisar nos sites de busca? – Exemplos

EXEMPLO - Como achar assuntos sobre : “História do Cavalo de Tróia”

1. Primeira tentativa: busca por “Tróia”. Número de resultados: 536 mil!*
> Esta busca pode ser “refinada”, ou seja, mais trabalhada, de modo a tornar-se mais específica; Motivos da baixa relevância dos resultados: uma busca muito genérica
traz muitos resultados e uma palavra-chave pode ter também significado em outras línguas, o que abre o escopo da busca para outros idiomas. Recomendação:
> Ser mais específico na busca para realizar a pesquisar com precisão;
> Usar palavras em português sempre que possível.
2. Segunda tentativa: busca por “Cavalo de Tróia” Número de resultados: 36 mil*

Essa busca tem que ser “refinada” mais uma vez; Recomendação: > Mudar a estratégia de busca.
3. Terceira tentativa: busca por “Guerra de Tróia”
Número de resultados: 19 mil* Avaliação geral: > Resultados relevantes; > O refinamento da busca funcionou: sites relevantes, em português, e diretamente relacionados ao assunto.
Note que o número de resultados de cada busca se refere ao momento de fechamento desta edição. Estes números podem variar.

EXEMPLO C - Como pesquisar imagens
Um dos aspectos fundamentais da relevância da pesquisa de imagens na Internet, em sala de aula, é o fato de que ela pode abrir para o aluno outras possibilidades de conhecimento a respeito de um determinado assunto para além dos textos escritos. Pense só como pode ser rico para uma criança urbana ter a oportunidade de ver fotos de frutas e animais silvestres, por exemplo, distantes da realidade de alguns. Nesse sentido, a busca por imagens amplia o repertório imaginativo de quem a acessa, um aspecto fundamental para a aquisição do conhecimento.
A pesquisa de imagens obedece aos mesmos critérios da pesquisa de textos. Se você quiser pesquisar sobre o sistema solar, por exemplo:

> Ao digitar somente sistema solar, você acessa, mais ou menos 6.103 imagens diferentes sobre este assunto!!
> Se a busca for por “sistema solar”, com aspas, as opções são de 4.829 imagens.
> E se procurar sistema solar + vênus você terá 133 imagens, o que já refinou bastante a sua pesquisa.
> Se você clicar no ícone “busca avançada” que possui em alguns sites de busca, terá ainda a oportunidade de, tal como nos textos, optar por termos mais específicos sobre o assunto para refinar sua busca, e poderá, também, escolher as cores, tipos e tamanhos das imagens que deseja pesquisar.

É importante frisar que somente cerca de 15% do conteúdo total da Internet está nos buscadores. Assim, ela não deve ser a única fonte de pesquisa utilizada. Livros, jornais, CDRoms e outros meios também devem ser consultados para garantir a amplitude da pesquisa;

Finalizo este texto com uma citação de Vigotsky que diz o seguinte:

As diferenças quanto a capacidade de desenvolvimento potencial das crianças devem-se, em grande parte, às diferenças qualitativas no ambiente social em que vivem. A diversidade nas condições sociais promove aprendizagens também diversas e estas, por sua vez, ativam diferentes processos de desenvolvimento. (Vigotsky.2002).